Requisitos para Instalação
 

A instalação do Full Flex GOLD é simples, feita por intermédio de conectores*, sem cortes de fios e sem interferir na originalidade de seu veículo.

* Verificar compatibilidade do veículo (modelo ideal para seu carro)

O Full Flex GOLD é instalado na linha dos bicos injetores e um fio ligado ao negativo da bateria. (veja esquema de ligação para melhor instalação).

Para funcionar o sistema eletrônico álcool/gasolina logo após a instalação, é necessário utilizar uma mistura álcool e gasolina em 50% cada, para que o novo sistema calcule novos parâmetros de funcionamento, tanto no tempo de injeção como no mapa de avanço.

       
Verificação geral do estado do veículo como:
       
Velas e cabos de velas Troca de óleo do motor
Filtro de combustível e de óleo Líquido de arrefecimento
Limpeza dos bicos injetores Sensor Sonda Lambda
Bomba de combustível Ou qualquer outro defeito
Sensor MAP    
 

Estes itens devem ser verificados e trocados caso haja necessidade, devido o veículo ter funcionado um longo período com gasolina. Esse combustível provoca uma grande carbonização interna no motor, como borra de óleo e alto grau de ferrugem no líquido de arrefecimento.

Ao utilizar o álcool por ser um combustível mais frio e limpo, a carbonização deixada pela gasolina nas válvulas internas da câmara de combustão começa a se soltar e pode provocar um desgaste prematuro do comando das válvulas, do catalisador e até a queima da bomba de combustível.

Não recomendamos a instalação do Full Flex GOLD para veículos com mais de 100.000 km.

Ressalvo a veículos que sempre efetuaram manutenção preventiva e que estejam em perfeito estado de funcionamento. Porém, é importante ainda uma revisão nos itens básicos para instalação.

Para este sistema funcionar corretamente há alguns sensores nos veículos que devem estar em perfeito estado de funcionamento, como o sensor MAP, sensor da Sonda Lambda e bicos injetores limpos. Caso haja alguma deficiência nestes sensores, o módulo do veículo irá receber informações errôneas, nas quais serão passadas para o gerenciador bi-combustível, que irá gerar consequentemente cálculos errados para o veículo, causando assim falhas na economia.